RSS

Arquivo da tag: comportamento

Palestras gratuitas sobre comportamento | Setembro 2012

 
Deixe um comentário

Publicado por em 31 de agosto de 2012 em Palestras/Cursos/Treinamentos

 

Tags: , ,

Por que que os cães latem?

Para quem não tem cachorros, latidos são todos iguais, mas para quem convive com eles é fácil perceber que os latidos soam diferentes: chato, engraçado, sofrido, alto… O que não sabemos é o porquê são diferentes e as causas que levam os cães a latirem.

Mundo Cão no Twitter e no Facebook

porque-os-cachorro-latem

O ladrado é uma forma de comunicação de cães para cães e para humanos. Quando ele late, pode ser por uma das seguintes razões:

  • O cão está ansioso: quando o cão fica ansioso, sente-se sozinho ou abandonado ele pode começar a latir.
  • Quando você vai embora seu cão pode latir por causa da separação.
  • O cão quer emitir um alerta ou aviso, pois ouviu, viu ou farejou algo suspeito.
  • Ele viu outro cão ou ouviu outro cão latindo e quer interagir com ele.
  • cão quer brincar com você ou outro cão.
  • cão assustou-se com algo.
  • Ele quer chamar a atenção.

O latido é a língua dos cães? É como uma língua. O latido é para que um cão se comunique com outros. É uma forma de expressão que serve para passar mensagens simples. Por que eles latem e o que querem transmitir? É difícil entender exatamente o que seu cão quer dizer ao latir, mas é possível perceber alguns padrões no latido. Conheça alguns tipos de ladrados e seus significados:

  • Latido agudo – Geralmente, o latido agudo, esse que faz doer nossos ouvidos, pode significar dor. Parece um choro. Mas se o agudo for agressivo (é fácil perceber), ele está com medo.
  • Latido longo e contínuo – Esse pode ser um latido para se comunicar com outros cães ou alertar cães que possam ser ouvidos a longas distâncias.
  • Latido excessivo – Latir sem parar, ele pode estar com fome, sede ou medo.
  • Cães latem quando ouvem latidos – Ele vai responder a latidos de outros cães. São latidos altos, mas suaves. Você vai perceber que o som soará menos rouco e numa frequência média, como se ele esperasse alguém responder, como uma conversa.
  • Latindo de madrugada – Durante a noite eles ficam mais atentos aos barulhos. Assim, qualquer barulhinho, ele mostra que está alerta ao latir.
  • Latindo para chamar atenção – Cães mimados latem quando o dono não está fazendo o que ele quer. O latido pode vir com chorinhos, pois ele quer ganhar você. Em outros casos, o latido pode ser agressivo como uma bronca, pois ele domina você, que não está obedecendo uma ordem dele.

A melhor maneira de compreender o que o cachorro está dizendo ao latir é observar sua postura e seus movimentos. Quando quer brincar, por exemplo, ele late suave e baixo, pula de um lado para o outro e abaixa as patas da frente levantando o rabo. Quando está ameaçando algum inimigo em potencial (como ruídos), ele late alto e rouco e dá passos para frente.

 
Deixe um comentário

Publicado por em 27 de agosto de 2012 em Comportamento, Curiosidades

 

Tags: , ,

Como evitar disputas entre cães

Os cães são animais que vivem em grupos, em bando, inclusive compostos por humanos e outros animais. Acontece que para os cães a hierarquia e a posição social dentro de um bando é muito importante e alguns fatores podem levar a brigas entre eles.

Mundo Cão no Twitter e no Facebook

Estou com esse problema em casa. A minha dálmata, a Latoya, está chegando à maturidade, por isso ela está buscando seu lugar no nosso bando e, pra isso, resolveu “derrubar” a Madona, a são bernardo, de sua posição agredindo-a e impedindo-a de chegar perto dos brinquedos e das pessoas.

Como evitar brigas entre os cães

Pra tentar resolver esse caso, pesquisei sobre o que pode levar um cão a uma briga e como evitar. Compartilho com vocês o que encontrei:

Respeite a hierarquia

Primeiro, você deve ser o líder. Abaixo de você e das demais pessoas que convivem com os cães, perceba qual deles está na posição mais altar de hierarquia e privilegie este, caso contrário, ele pode querer atacar o outro cão por desrespeito. Dê a ele primeiro os petiscos, a comida e os brinquedos.

Como reconhecer o grau hierárquico? É fácil: ele controla tudo, costuma ser observado e seguido, é respeitado pelo(s) outro(s) cachorro(s). O que está abaixo na escala, normalmente, coloca o rabo entre as pernas, lambe a boca do outro e dá outros sinais de submissão.

Evite disputas por alimento e objetos

Se você perceber que determinado objeto ou alimento causa briga entre os cães (como osso), evite usá-lo. Ou, então, só o ofereça quando os cães estiverem separados. O mais prudente é servir a comida isoladamente ou sob supervisão humana, para evitar conflitos desnecessários.

Não dê bola a pequenos desafios

Dar atenção a cães que se desafiam em pequenas brigas pode torná-las mais frequentes só para chamar a nossa atenção. Interferir nessas disputas tão comuns também pode atrapalhar a definição da liderança e resultar em mais brigas posteriormente.

Castração pode ajudar

Brigas ocorrem mais entre cães do mesmo sexo. A castração pode ajudar a reduzir esses conflitos, tanto entre machos como entre fêmeas (elas tendem a ficar mais agressivas no cio).

Convívio constante

Só separe os cães se houver necessidade. Quando eles ficam sem contato por algum tempo e depois voltam a estar juntos, podem se mostrar mais dominantes em relação ao território e aos objetos disponíveis. O resultado provável é haver brigas mais sérias. Se possível, mantenha o convívio entre os cães, mesmo depois de pequenos conflitos entre eles.

Exerça forte liderança

A maior parte das brigas ocorre quando o proprietário resolve interagir com os cães, brincando ou acariciando. Para evitá-las, é preciso demonstrar forte liderança e não permitir provocações e rosnados que possam evoluir para briga.

Lidando com momentos críticos

Existem situações que favorecem o começo de brigas. Por exemplo, voltar de um passeio feito com somente um dos cães, que não seja o dominante do grupo. Nesse momento, para os cães não ficarem se cheirando ou se confrontando, deve-se criar um foco diferente de atenção. Por exemplo, ao chegarem ofereça um petisco ao cão dominante e, em seguida, aos demais. Assim, todos prestarão atenção em você, em vez de um tentar controlar o outro.

Fonte: Revista Cães & Cia, n. 307, dezembro de 2004

Reconheça os sinais pré-briga

  • Aproximação lenta e caltelosa
  • Corpo ereto e tenso
  • Olhar fixo no outro
  • Cauda pra cima
  • Pelos eriçados

Quando perceber esses sinais, use biribinhas, chocalhos ou alguma coisa que faça-os desviar a atenção. Assim você pode evitar que a briga aconteça.

Lembre-se:

  • Nunca cause ciúmes
  • Não repreenda com agressões físicas
  • Não recompense o mal comportamento – ou seja, não dê petiscos ou carinho depois de uma briga, mesmo que seja apenas tocar em uma ferida
  • Não estimule o início da briga – quando perceber que os cães vão começar uma briga, evite usar seus nomes, pois eles podem compreender como “ataque!”

Posts relacionados:

Vai pegar outro cão? Veja como evitar brigas

Cachorro com ciúme de outro cachorro

 
Deixe um comentário

Publicado por em 16 de agosto de 2012 em Comportamento, Dicas

 

Tags: , ,

Como lidar com cachorros que mordem

Cães são fofos, são engraçados e são amigos, mas não é só isso. São relatados todos os anos entre meio e um milhão de casos de mordida. Cerca de 60% desse total é de ataque a crianças menores de 12 anos (veja porquê). Machos não castrados são os que mais mordem.

Siga O Mundo Cão no twitter

Raças mais comuns entre os ataques:

  • Chow-chow
  • Rottweiler
  • Pastor alemão
  • Cocker spaniel
  • Dálmata

Para evitar acidentes com mordidas, é preciso entender o que está acontecendo com o cão e tomar atitudes que vão deixa-lo mais calmo, tranquilo e menos agressivo.

Cão dão sinais de que vão morder. Quando alguém ignora seus avisos e passa do limite que o cão está impondo, acaba em abocanhadas.

Sair correndo, sentir medo e gritar são coisas comuns que as pessoas fazem antes de serem mordidas, mas foram exatamente essas atitudes que levaram o cão a não confiar na vítima e, para se defender, ele acaba mordendo. Em caso de cães menos agressivos, ele pode interpretar isso como brincadeira, ativando o extinto de caça e perseguição.

Entenda os sinais

A linguagem clássica corporal canina que sinaliza que está pronto para morder inclui:

  • Encarar
  • Mostrar os dentes
  • Rosnar
  • Pernas esticadas (parecendo na ponta dos pés)
  • Pelos dos ombros, costas e posterior eriçados
  • Cauda esticada balançando em movimentos rápido
  • Quando a cabeça do cachorro abaixar e as orelhas ficarem juntas ao corpo, é hora do ataque

Por que cães mordem?
O ataque pode ser por medo, defesa, dor ou para proteger o território. São motivos que podem ser difíceis de detectar. Um especialista pode ajudá-lo a descobrir a razão pela qual seu cachorro morde e pode desenvolver uma estratégia para mudar esse comportamento. Socializar com outras pessoas e com outros cães ou ensinar a família a deixar o cachorro sossegado enquanto estiver comendo, dormindo ou se escondendo é muito simples.

Dicas para evitar mordidas

  • Se aproximando do cachorro

Se a permissão for concedida, deixe que o cachorro cheire sua mão aberta antes de fazer carinho nele. Dê tempo para que ele se acostume com o seu cheiro e perceba que nada de ruim vai acontecer. Caso o animal demonstre algum receio, fique longe.

  • Acaricie o cachorro debaixo do queixo primeiramente

Esse é o lugar menos ameaçador. Fazê-lo na cabeça pode ser considerado preocupante para o animal, então, até ele sentir-se confortável e seguro, apenas faça um afago no queixo.

  • Balançar o rabo nem sempre é sinal de segurança

Não se esqueça, mesmo se um cachorro estiver balançando o rabo, isso não significa que ele é amável. Prefira ficar na defensiva.

  • O que fazer se um cachorro bravo se aproximar

Se estiver caminhando e um cachorro se aproximar sem coleira, ou sem um dono, fique firmemente de pé. Não se mova, não fale; mantenha suas mãos dos seus lados e mantenha a calma. Olhe ao redor procurando pelo dono do cachorro e novamente, mantenha a calma, pois se demonstrar medo, o animal percebe e pode avançar.

  • Não tente acariciar um cachorro em um carro ou na traseira de um caminhão, através de uma cerca ou dentro da casinha (ou o abrigo dele).

Os cachorros se sentem confortáveis nesses lugares e podem pensar que seu lar está sendo ameaçado. São exatamente parecidos como seres humanos neste caso, se mexem com seu lar, suas atitudes são imprevisíveis.

  • Nunca importune ou jogue objetos em um cachorro

Além de pura maldade, é no mínimo uma ação de quem não tem o mínimo de respeito pelos animais. Não somente é um sinal de agressão, mas você pode machucar o cachorro e fazê-lo atacar.

  • Uma coisa que você nunca deve fazer é tirar comida de um cão

Nenhuma espécie de animal tolera que tirem seu alimento. Quando isso ocorre, podem ficar agressivos para defender o que lhes pertence. Então, jamais faça isso com um cão.

 
15 Comentários

Publicado por em 26 de julho de 2012 em Comportamento, Dicas

 

Tags: , , , ,

Como evitar que seu cão pegue a roupa do varal

Quem mora em casa com quintal sabe o sofrimento que é deixar a roupa no varal com os cachorros soltos. Ver os mil pedaços de panos que as peças se tornaram e não enlouquecer é uma prova. Ainda bem que existe uma forma de evitar esse comportamento.

Siga O Mundo Cão no twitter

como evitar que seu pegue a roupa do varal

Primeiro, entenda o cão: Por que puxar a roupa do varal?
• Pode ser por causa do seu cheiro que ele sente na roupa;
• Para chamar a atenção;
• Ansiedade, por não ter nada para fazer;
• Excesso de energia.

Como evitar?
• Nunca corra atrás do cão se ele estiver com a roupa, porque ele vai achar que você está brincando e vai associar isso a uma coisa boa;
• Quando chegar em casa, não pegue as roupas do chão, principalmente brigando com ele ao mesmo tempo. Ele vai perceber que quando faz isso você dá atenção e, quando ele se sentir só, vai fazer arte pra ver se você aparece;
• Tente evitar pendurar a roupa quando o cão estiver por perto, pois eles são curiosos e vão querer saber o que é que você está fazendo quando você se virar;
• Quando pega-lo no flagra, use um chocalho (pode ser uma lata com moedas ou pedrinhas) para assusta-lo. Melhor ainda se ele não puder te ver. Quando ele associar o barulho ao ato de pegar a roupa, não vai fazer mais mesmo se você não estiver em casa;
• Recompense o bom comportamento. Quando o cão passar pelas roupas sem puxar, dê um petisco, elogie e faça carinhos.
Além disso, você pode criar um ambiente bem legal para ele, deixando brinquedos e distrações para ele quando estiver sozinho.

 
5 Comentários

Publicado por em 25 de julho de 2012 em Comportamento, Dicas

 

Tags: , , ,

Comportamento – automutilação

Um cão se automutila quando se morde e se lambe a ponto de causar ferimentos. São feridas avermelhadas, com falha de pelo e podem apresentar pontos vermelhos.

Um peludinho criar esse problema comportamental por diversos motivos: doenças físicas, problemas psicológicos ou articulares.

cães que se automutilam

Siga O Mundo Cão no twitter

Fique de olho nos sintomas:

Cães que se lambem excessivamente – Podem estar com a Síndrome da Lambedura (Dermatite acral lick) que pode causar feridas ou abscessos sobre as áreas que são repetidamente lambidas.

Cães com queda de cabelo (Alopsia) – Excesso de lambidas, mastigação, mordidas e excesso de higiene podem levar um cão a desenvolver falhas de pelo e manchas de pele em áreas do corpo. Alguns cães chupam as pernas até a pele se soltar, podendo deixar no osso . Cães estressados também podem arrancar o pelo.

Problemas na pele – Irritação da pele, tais como erupções cutâneas (manchas avermelhadas), feridas e lesões é tanto um sinal como pode ser uma causa de automutilação.

*Como se observa, o comportamento de automutilação muitas vezes faz com que os cães desenvolvam feridas na pele. Mas, a irritação da pele em si pode ser o que fez com que o cão começe a lamber ou mastigar a pele como uma forma de aliviar o desconforto.

Manchas na pele – Olhe para peles manchadas, especialmente na camada abaixo. Ela pode ser marrom, vermelha ou rosa-tingido. Lesões desenvolvidas a partir da mastigação também pode manchar a pele com sangue.

Lesões na cauda – Muitos cães perseguem suas caudas, mas não a mordem. A mordedura do rabo é um problema que causa lesão e pode requerer amputação parcial se for grave o suficiente.

De olhos nas principais causas:

  • Estresse/Ansiedade (separação, tédio, saudade, medo)
  • Dor (Síndrome da Cauda Equina)
  • Coceira (infestação de pulga ou carrapato)
  • Alergias (alimentar, doenças de pele, a pulgas e carrapatos)

Se seu cão apresenta os sintomas, procure um veterinário.

Fonte: Denise Dechen

 
8 Comentários

Publicado por em 23 de julho de 2012 em Comportamento, Pelagem

 

Tags: , , ,

Convivência entre cães e crianças – as raças mais e menos indicadas

A convivência entre cães e crianças pequenas nem sempre dá certo. Os humaninhos não sabem brincar, não têm limite com o cachorro, que acaba fugindo, se escondendo, rosnando e até mordendo a criança. Puxões no pelo, tapas, apertões e beliscões são os principais motivos que levam essa relação a dar errado.

são bernardo raça criança

Siga O Mundo Cão no twitter

Apenas depois dos 10 anos é que a criança consegue compreender totalmente os cuidados que os cães precisam. Crianças menores de 3 anos não associam cães com seres vivos; é como uma pelúcia.

Existem algumas formas de evitar o pior, que é o ataque do cão à criança (num outro post falarei disso), mas há raças mais adequadas para conviver com os pequenos. São raças mais pacientes, suportam melhor a convivência com crianças e até mesmo os abusos por parte delas.

Bom, os cães de maior porte, por incrível que pareça, são mais tolerantes ao “sofrimento” causado pela criança, por outro lado, cães grandes até os dois anos de idade são atrapalhados e, mesmo sem ter intenção, pode acabar machucando a criança.

Vamos às raças mais apropriadas para crianças menores de 10 anos:

American Staffordshire Terrier – Mesmo tendo fama de valentão, este cão tende a ser agressivo apenas com outros cães, sendo totalmente leal à família e extremamente dócil com o terrorzinho dos cães: a criança!

Antigo Cão de Pastor Inglês (Bobtail) – Conhecido por cuidas das crianças, são muito tolerantes e calmos.

Beagle e outros cães de levante e corso (hounds), tais como o Bloodhound, o Harrier, Irish Wolfhound e o American Foxhound – São brincalhões e tolerantes, mas bastante enérgicos. Não são indicados pra serem criados em apartamento.

Boxer – Um cão de guarda, que protege a família e lida muito bem com os mais novos.

Poodle Grande – Os poodles de porte menor são nervosos e reativos, o que não acontece com o tipo grande da raça, que é uma ótima opção para famílias com crianças.

Cão de Água Português – Ativo e elegante, é um cão tolerante com as crianças.

Collie e Bearded Collie – São bastante pacientes com crianças.

Golden, Labrador e Retriever de Pêlo Liso – Dóceis, tolerantes e pacientes. O Labrador é, contudo, bastante trapalhão e excitável enquanto não atingir a idade adulta e pode ser necessário mais algum cuidado na vigilância das brincadeiras.

Bichon Havanês – É um cão de colo, pequeno e de apartamento, mas aceita bem crianças na família.

Hovawart, Terra Nova – São cães muito calmos e sossegados. Aturam as maiores travessuras, mas são bastante trapalhões enquanto pequenos e pode ser um desafio tentar fazer com que tenham cuidado com os movimentos.

São Bernardo – Conhecido como o cão-babá, essa é uma raça muito tranquila, mas estabanada. É preciso muito cuidado até que o cão complete 2 anos.

Mastiff – Um poderoso guarda, mas um gentil gigante com a família. Necessita , contudo, de uma forte socialização por ter temperamento forte e liderança e não deve ser cão para donos inexperientes.

Pug – Pequeno e cão de apartamento, que foge ao estereótipo dos cães pequenos e nervosos. É paciente, mas pode ser demasiado frágil para as crianças mais brutas.

Outras raças indicadas

Estas raças são também indicadas para conviverem com crianças, pois têm ainda uma elevada tolerância a abusos, mas não mostram um comportamento tão paciente assim. Mesmo assim, se adequam perfeitamente num ambiente familiar, especialmente se lidarem com crianças maiores.

  • Basset Hound
  • Bichon Frise
  • Boston Terrier
  • Boulldog Francês
  • Bulldog
  • Bull Terrier
  • Cão da Serra de Aires
  • Cocker Spaniel Inglês e Americano
  • Dálmata
  • Lulu da Pomerânia
  • Pastor Alemão
  • Podengo Português Médio
  • Schnauzer Grande
  • Setter Inglês
  • Shar Pei
  • Cocker Spaniel Inglês e Americano

Mesmo que essas raças sejam mais indicadas para conviver com crianças, a supervisão de um adulto é sempre a melhor forma de evitar acidentes e problemas. Ambas as partes necessitam de segurança.

Vamos às raças não indicadasraças não indicadas para crianças

Esses cães não curtem de ser tratados de forma bruta ou de serem constantemente assediados pelas crianças. Não são tão pacientes. Além disso, crianças podem machucar de verdade algumas dessas raças poe serem pequenas demais.

  • Alaskan Malamute
  • Poodle Médio, Anão ou Toy
  • Chihuahua
  • Chinese Crested Dog
  • Chow Chow
  • Jack Russell Terrier
  • Llhasa Apso
  • Pequinês
  • Pinscher Miniatura
  • Saluki
  • Schnauzer Miniatura
  • Tibetan Terrier
  • Weimaraner
  • Yorkshire Terrier

Crianças e cães podem ser educados ao convívio, possibilitando a interação de raças menos indicadas com crianças. Basta mostrar limites aos dois.

Cada cão é único e pode não corresponder às características da raça.

 
17 Comentários

Publicado por em 18 de julho de 2012 em Raças

 

Tags: , ,

 
%d blogueiros gostam disto: